Estudantes invadem reitorias de três universidades federais do país

06/06/07

   

 

Estudantes invadiram ontem as reitorias de pelo menos três universidades federais do país, em protesto por melhorias nas instituições e em solidariedade a invasões semelhantes, como a da USP. Na UFPR (Universidade Federal do Paraná) e na UFPE (Universidade Federal de Pernambuco), as invasões fazem parte do dia de mobilização nacional que a UNE (União Nacional dos Estudantes) prepara para hoje no país.


Já os alunos que invadiram a reitoria da UFRGS (Universidade Federal do Rio Grande do Sul) negam articulação com a entidade estudantil.

O protesto também ocorre em apoio ao movimento grevista de servidores das universidades federais.

Segundo a Fasubra (Federação de Sindicatos de Trabalhadores das Universidades Brasileiras), servidores de 38 universidades federais estão em greve. A Fasubra representa 46 de 53 universidades federais.

Desde o dia 28 de maio, a paralisação afeta o funcionamento de bibliotecas, laboratórios, restaurantes e hospitais universitários. No Hospital Lauro Wanderley, por exemplo, na UFPB (Universidade Federal da Paraíba), em João Pessoa, as consultas foram suspensas anteontem.

Invasões

Na UFRGS, cerca de 300 estudantes invadiram, às 11h, o saguão da reitoria, em Porto Alegre. Os alunos montaram barracas e levaram cobertores, colchonetes e comida. Eles dormiriam ontem no local.

Faixas e cartazes foram afixados com as frases: "Estudantes da UFRGS na luta com a USP" e "Todo o apoio à luta dos estudantes da USP".

Segundo Beliza Lopes, 22, uma das organizadoras da manifestação, o ato não foi orientado pela UNE.

Em reunião com o reitor da UFRGS, José Carlos Hennemann, o grupo apresentou demandas como redução da taxa de vestibular, cota de 20% para negros e de outros 20% para alunos de escolas públicas e construção de um restaurante universitário.

No Paraná, cerca de cem estudantes invadiram um dos três andares da reitoria da UFPR. Segundo a assessoria da universidade, os alunos concordaram em desocupar o prédio até o meio-dia de hoje. As atividades da reitoria foram paralisadas após a invasão, mas as aulas continuaram. Os alunos ocupam um andar inteiro do prédio, que tem três andares.

Eles reivindicam a criação de um plano de assistência estudantil, a implantação de linhas de ônibus entre os campi e a utilização do rádio e da TV da UFPR pelos alunos.

Em Recife, cerca de 30 estudantes montaram acampamento no saguão de entrada da reitoria. O expediente do órgão não foi afetado.

Entre as reivindicações estão o aumento de bolsas e de verba para assistência estudantil, a reativação do restaurante universitário e a criação de uma creche para filhos de alunos e docentes.

  

  

 

Entre em contato